Acerca de mim

A minha foto
Poeta por inspiração e imposição da alma... Uma pessoa simples, que vive a vida como se fosse a letra de uma canção, o enredo de um filme, a preparação para uma vida superior, à espera da eternidade e do encontro com o Criador.

domingo, 3 de novembro de 2013

Vaso quebrado

Penetra-me o coração a espada da amargura
o seu gume rasga a vida que não tenho.
Eu era fogo, que lentamente consumiu o lenho em que ardia.
A cinza recolhida em vaso velho e já cansado era eu dentro do tempo.

Ignorante das dores, houve um tempo.
Depois passou, e o futuro doeu.
Era uma espada. E vieram as dores.
O fogo, já extinto, continuou a arder no tempo
mas já lá não estava eu.
O que eu era não resistiu à espada
que o meu peito exibia e alimentava no seu sangue.

Doía. Sim, doía.
Como dói e mata toda a amargura
que o coração transporta e acalenta.

Fogo. Eu era fogo. Em cinza me tornei.
Um velho vaso já quebrado me guardou a vida
quem o atirou da escada?

Felipa Monteverde

(in IV Antologia de Poetas Lusófonos)


2 comentários:

✿ chica disse...

Intensidade e beleza nessa inspiração,Felipa! beijos,linda semana!chica

Ailime disse...

Olá Felipa, sabe como admiro a sua poesia! Este poema é magnifico. Um beijinho Ailime