Acerca de mim

A minha foto
Poeta por inspiração e imposição da alma... Uma pessoa simples, que vive a vida como se fosse a letra de uma canção, o enredo de um filme, a preparação para uma vida superior, à espera da eternidade e do encontro com o Criador.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

O canto adormecido



Já não há a cantiga, o tempo mentiu passados 
e o canto adormeceu. Nem colo há 
apenas o frio da cadeira vazia e o lume apagado. 

Pendem as chouriças ao fumeiro, os presuntos
um grande ramo de loureiro. A trempe, o pote
agora não são mais do que objetos para o “ferro-velho” 
a carrinha passa uma vez em cada mês.

A morte de uma casa começa pela cozinha 
quando a cozinha morre todo o resto fica moribundo. 
Virão os gatos e comerão os ratos, alimentados das 
chouriças que ficaram esquecidas. 
Os móveis apodrecerão. As paredes cairão.

O canto ficará adormecido para sempre
numa cadeira ao borralho.

Felipa Monteverde

5 comentários:

Sonhadora (RosaMaria) disse...


Minha querida

Que todos os teus dias sejam Natal e do coração nunca se apague o sol
Que todos os momentos sejam plenos de felicidade...amor e esperança
Que todos os sonhos se transformem em realidade com a força do amor
Que o espírito do verdadeiro Natal renasça nas mãos de uma criança

Os meus votos de Feliz Natal junto de todos que te são queridos e
que a felicidade e o amor estejam sempre presentes na tua vida.

Um beijinho com carinho
Sonhadora

Nilson Barcelli disse...

"A morte de uma casa começa pela cozinha"
Excelente poema. O teu talento para a poesia é inquestionável.

Beijinhos.

Sonhadora (RosaMaria) disse...

Minha querida

Que neste ano de 2013 que agora se inicia possamos com uma palavra de apoio e fraternidade fazer que o mundo seja melhor e que a esperança de realizar todos os sonhos seja presente sempre nos nossos corações...que a paz o amor e a felicidade seja o alvorecer de um novo tempo de amor e fraternidade.
E obrigada por me abrirem o vosso coração para eu entrar e alimentar a minha alma de carinho neste caminho que é feito por nós...mas que depende de quem nos acompanha e nos ajuda a ultrapassar dias menos bons e que estão sempre presentes com uma palavra de conforto...que secam as nossas lágrimas e sorriem com as nossas alegrias.

FELIZ ANO NOVO
Um beijinho com carinho
Sonhadora

Ailime disse...

Felipa, que poema extraordinário!
Nunca tinha pensado "que a morte de uma casa começa pela cozinha"! E que verdade! E tantas vezes que o meu pensamento viaja pelas lareiras e borralhos que nunca mais vi (apenas sinto)! Obrigada por este poema maravilhoso.
Fabulosa a sua inspiração poética. Beijinhos Ailime

Amanda Lemos disse...

Gostei muito do que vi !
Muito difícil encontrar espaços bacanas como este :_)

Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...

http://bolgdoano.blogspot.com.br/

Agradeço desde já !