Acerca de mim

A minha fotografia
Poeta por inspiração e imposição da alma... Uma pessoa simples, que vive a vida como se fosse a letra de uma canção, o enredo de um filme, a preparação para uma vida superior, à espera da eternidade e do encontro com o Criador.

quinta-feira, 6 de Janeiro de 2011

Três poemas de Djalma Andrade


BELO HORIZONTE

Belo Horizonte, glória ao mineiro!
Bendito o esforço da sua mão,
Que traça linhas no solo agreste
E faz cidades nascer do chão.

Glória ao mineiro de sãs virtudes
Que as tempestades sabe afrontar,
Que faz cidades de ruas retas
Porque esse é o jeito do seu andar.

Belo Horizonte, fonte de vida,
Chegam enfermos em procissões!
Só com a magia desses teus ares,
Fazes milagres, ressurreições.

Árvores verdes, fortes, tranquilas,
Que afrontam firmes o temporal,
Como soldados postos em filas
Numa parada descomunal.

Belo Horizonte, conto de fadas!
Luta o mineiro na grande Minas,
E eis que a cidade surge do nada,
Tal qual o mundo das mãos divinas.


PODE ENTRAR, QUE A CASA É SUA

Minas… Igrejas e sinos
De sons puros, cristalinos…
Pompas… Passado de glórias…
Cidades velhas, velhinhas,
Com ternura de avozinhas,
Que contam lindas histórias.

Minas… As velhas fazendas
Cheias de casos e lendas
De uma era sombria, escura…
E Minas das claras fontes,
Dos rasgados horizontes,
Minas do pão, da fartura.

Minas… as longas estradas
Nos duros morros cravadas…
Gente forte à luta afeita!
Carros gemendo e cantando,
Serras e montes galgando,
Na alegria da colheita.

Minas… Repiques festivos,
A banda, dobrados vivos
Rompe com fúria infernal…
Foguetes, o largo cheio…
Todo o povo alegre veio
Para a festa no arraial.

Minas… É o lar que se agita
Gente de fora, visita,
Todos à porta da rua…
Sorriso franco e bondoso,
Lá dentro o café cheiroso:
– Pode entrar, que a casa é sua.


MINHA TERRA

Ó turista errante a caminhar à toa,
Olhos fatigados de mirar Paris,
Vem ver minha terra como é clara e boa,
Vem ver minha gente a trabalhar feliz!

Vem ver minha Minas como é linda e calma,
Ó turista errante, vai andando ao léu…
Que este clima puro robustece a alma,
- Sobe estas montanhas que acharás o céu.

Esta é Vila Rica, uma cidade exemplo,
Pisa bem de leve, passa devagar,
Ó turista errante, esta cidade é um templo.
Quem não tem vontade, Santo Deus, de orar!

Homens formidáveis que curtiram travos
Por aqui passaram, por estes recantos:
- Dizem as histórias que eles foram bravos,
Eu às vezes penso que eles foram santos.

Olha estas imagens, olha-as com carinho,
Santos semelhantes parecendo irmãos,
Foram todos feitos pelo Aleijadinho,
O monstruoso génio que não tinha mãos.

Olha estas ermidas, vasos, esculturas,
As capelas lindas, com seus lindos santos…
Quando chega maio, que alegria puras!
Cobrem-se de flores, enchem-se de cantos.

Esta é Diamantina, outrora onipotente,
Este é o Sabará gentil dos meus avós:
- São cidades mortas para toda a gente,
São cidades santas para todos nós.

Vem ver as mineiras, lindas esperanças,
Do seu peito brando é que a bondade emana;
Têm a singeleza de ovelhinhas mansas,
E o caráter de aço da mulher romana.

Vem ver o mineiro a levantar cidades,
Na labuta austera, cheio de virtude:
- o meu povo vence sem mostrar vaidades,
Minas se engrandece no trabalho rude.

Olha estas montanhas, têm o aspeto rudo,
São de ferro e aço, valem um tesouro!
- Aço e ferro juntos formam um escudo
A guardar de Minas o caráter de ouro.

Ó turista errante, a tua jornada encerra,
Não verás, por certo, entre países mil,
Terra mais bonita do que a minha terra,
Terra mais pujante do que o meu Brasil!

DJALMA ANDRADE

(Retirado do livro "BELO HORIZONTE", 16ª Conferência dos Distritos Rotários do Basil, 1945)

Quando li o nome Djalma Andrade pensei tratar-se de uma mulher, mas pesquisei na net e soube que era um homem:
Nasceu em Congonhas, Minas Gerais. Formado em Direito. Nomeado promotor de Justiça em Ouro Preto, não tomou posse para dedicar-se ao jornalismo e às letras. Atuou em quase todos os jornais e revistas em Belo Horizonte. No Estado de Minas assinava a coluna "A História Alegre de Belo Horizonte".
Membro da Academia Mineira de Letras e da Academia de Lisboa.

Bibliografia:

“Versos Escolhidos” - 1935
“Poemas de Ontem e de Hoje” – 1937
“Sátiras”
“Cartuchos de Festim”
“Poemas Escolhidos”
“Versos Escolhidos e Epigramas” -1945

Teve diversos livros com edições esgotadas, em especial a última, em 1986. Faleceu aos 83 anos.

2 comentários:

ETERNA APAIXONADA disse...

Querida amiga
Uma grata surpresa! Atravessei o oceano e defrontrei-me com minha cidade natal e onde moro!
Fazia tempo não lia o Djalma Andrade.
Irei copiar para levar ao Sintonias.
Obrigada pela linda partilha!
Tenha uma linda noite, minha amiga do coração.
Beijos

Anónimo disse...

oi,AMIGA.SÓ CONHEÇO DO POETA , AO SONETO: ATO DE CARIDADE, MAS FOI O BASTANTE PARA FICAR APAIXONADA. NÃO SOU NOVA,JÁ PASSOU MUITA ÁGUA PELO MEU CAMINHO, MUITA LÁGRIMA PELO MUE ROSTO. SE VC. QUISER QUE EU ESCREVA MAIS, E´SÓ DIZER.
CONCLUSÃO
Lufadas de vento frio em plena noite
entram no vazio do meu quarto
e sem querer pus-me a pensar:
Que minh!alma é um quarto vazio,
onde entram lufadas de vento sem cessar
A solidão reside em cada canto,
mas as saudades vão entrando de mansinho;
Vejo mamã,meus tios,minha filha...
e alguns amigos que ficaram no caminho.
Como seria bom,poder partir com eles...
de mãos dadas,sorrindo,ir além...
ser bem feliz,não sofrer,não ter mais pranto,
e nunca mais sentir saudade de ninguém.
Chove lá fora,
mas chove mais dentro de mim,
e essa angústia,essa tristeza enfim
me faz pensar...
Que o frio de minh'alma é tão horrento,
bem maior que as lufadas de vento,
que passam correndo pelas ruas sem cessar.

Madrugada de 17 de Maio de 1978.Noite de muita chuva muita,muita solidão.abraço Valeria

valeriapersivo@yhoo.com.br